Ana Maura circular

Ana Carolina de Oliveira Costa

Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasília como bolsista CAPES, pesquisa sobre história-política, capitalismo racial, marxismo africano e cultos aos Voduns no Benim, tendo realizado estágio de Doutorado Sanduíche (PDSE-CAPES) na Universidade de Abomey-Calavi sob supervisão do Professor Dodge Amouzovi. Mestre em Antropologia Social pela Universidade de Brasília, tendo realizado pesquisas sobre as guerras civis de Serra Leoa e Libéria, cujo enfoque recaiu na juventude, conflitos geracionais e uso de magia como arma de guerra. Graduada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, com pesquisa sobre oralidades, narrativas míticas e transmissão de conhecimentos dentro de casas de candomblés em Belo Horizonte. Tem interesse nas temáticas: estudos africanos, estudos das relações étnico-raciais, teorias antropológica, circulação e produção de conhecimento no/do continente africano, antropologia da religião e bruxaria, antropologia política; capitalismo racial; marxismo africano e; África-Mundo. Participante no ano de 2019 da École Doctorale des Ateliliers de la Pensée de Dakar, coordenado por Achille Mbembe, Françoise Vergès e Felwine Sarr dentre outros.


Ana Maura circular

Ana Maura Tomesani

Doutora em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Ciência Política (2005) e Graduada em Ciências Sociais pela mesma Universidade, com disciplinas cursadas na Université Laval (Canadá) e estágio de pesquisa na Université de Montréal (Canadá), Ana Maura é integrante e uma das fundadoras da Rede de Pesquisa em Paz, Conflitos e Estudos Críticos de Segurança (PCECS) e do Lepif (Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira). Membro da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. Faz parte do Grupo de Experts da Global Alliance Against Transnational Organized Crime. Foi coordenadora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e consultora do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para assuntos relacionados à segurança pública, participação social e qualidade dos dados. Atualmente é gerente do Projeto Censo de Mercados Ilícitos na Tríplice Fronteira, iniciativa da JHM Pesquisa.

 

Ana Maura circular

Bianca Tavolari

É graduada em Direito e em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Mestre e Doutora em Direito pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora do Núcleo Direito e Democracia do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Principal Investigator do Mecila - Maria Sibylla Merian Centre. Foi pesquisadora do Laboratório de Direito à Cidade (LabCidade-FAUUSP) entre 2014 e 2016. Atualmente, é professora Assistente no Insper e professora visitante da Universidade de St.Gallen, Suíça. É membro da Comissão de Direito Urbanístico da OAB-SP. Atualmente, dedica-se ao estudo de questões urbanas e direito, direito à cidade, movimentos sociais urbanos, economia urbana do compartilhamento, direito e Teoria Crítica.



Chirley Rodrigues Mendes

Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (UnB) e mestre na mesma área pela mesma instituição, como bolsista CNPq, com estágio de Doutorado Sanduíche (PDSE-CAPES) na Universidade de Cabo Verde (UniCV) e participação no Programa Internacional de Apoio à Pesquisa e ao Ensino por meio da Mobilidade Docente e Discente Internacional (Pró-mobilidade Internacional – CAPES-AULP) na mesma universidade junto ao Centro de Investigação e Formação em Gênero e Família (CIGEF). Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Montes Claros. Pesquisa sobre juventude em Cabo Verde numa perspectiva interseccional e intergeracional, em contextos urbanos e rurais da Ilha de Santiago. Trabalha com as temáticas: gênero, feminilidades e masculinidades; família, espaços domésticos e de intimidade; história de vida e trajetórias de vida; estudos e teorias do cuidado, redes de apoio e sociabilidade; estudos africanos e afro-brasileiros; estudos das relações étnico-raciais; juventude, estudos geracionais; interseccionalidade; pós-colonialidade e decolonialidade.

 

Crislei Oliveira circular


Crislei de Oliveira Custódio

Licenciada em Pedagogia, Mestre e Doutora em Educação pelo Departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação da Faculdade de Educação da USP. Membro da equipe de educação em direitos humanos do Instituto Vladimir Herzog, Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIB e membro do grupo de estudos “Violência em tempos sombrios” do Núcleo de Estudos sobre a Violência (NEV/USP). Foi organizadora da coletânea “Hannah Arendt: a crise na educação e o mundo moderno”, publicada em 2017, com apoio da Fapesp, pela Editora Intermeios.




3Daniela Costa Dornfeld

Doutoranda e Mestre pelo programa de Pós-Graduação em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), na linha de pesquisa Teoria e História das Artes. É graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Em 2016, participou programa Seminário Internacional em Museologia, com estágio em museus franceses, parceria da Escola do Louvre e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Nesse período, trabalhou como estagiária do Museu D'Orsay, no Setor de Curadoria em Arquitetura e Paisagem, em Paris. Cursou Civilização Francesa na Universidade Paris Sorbonne (2010). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, atuando em projetos e obras. É docente nos Cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design de Interiores na Universidade Cruzeiro do Sul, nas disciplinas de História, Patrimônio e Restauro, Paisagismo e Revit. Seus principais temas de atuação e pesquisa são: história e teoria das artes, história da arquitetura e o Art Nouveau.

 

Mariela Campos Rocha
Enrico Spaggiari

Doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). É pesquisador do LUDENS - Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Futebol e Modalidades Lúdicas da USP, do Grupo de Estudos em Antropologia da Cidade (GEAC/USP) e do Núcleo de Antropologia Urbana (NAU/USP). É autor do livro Família Joga Bola (Ed. Intermeios/FAPESP) e coorganizador das coletâneas: Lazer de perto e de dentro (Edições SESC), Práticas, conflitos e espaços (Ed. Gramma/Terceiro Nome, FAPESP) e Entre Jogos e Copas: reflexões de uma década esportiva (Ed. Intermeios/FAPESP). É um dos editores do site Ludopédio. É coordenador da coleção Entre Jogos no âmbito da Editora Intermeios. Possui experiência na área da Antropologia, com ênfase em Esporte, Cidade, Juventude e Lazer.

 

3


Felipe Gabriel Oliveira

Mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e doutorando pela mesma instituição. É bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, e pesquisador do Centro de Estudos de Religiosidades Contemporâneas e das Culturas Negras (CERNe-USP), onde desenvolve atualmente pesquisa sobre carnaval, religião e políticas públicas em São Paulo (SP). Integrante do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana (LabNAU-USP). Tem interesse nos temas: cultura popular, festas, religião, corpo, performance, carnaval, samba e dança.

 

 

3


Fernando Valentim

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Ciências Humanas e Sociais (UFABC) e Coordenador Executivo do Observatório Brasileiro da Guarda Compartilhada (OBGC). Possui também especializações em Gestão Pública (UFT) e metodologia de pesquisa (CEBRAP).

 

 

 

Gian redonda cortada
Gabriela Frias

Graduada em Ciências Sociais (FFLCH-USP/2016) e mestre em Filosofia (IEB-USP/2021), na área de Cultura Popular. É pesquisadora da canção popular brasileira, com foco em indústria fonográfica e na cena de música independente de São Paulo dos anos 1980 e também contemporânea. Atua desde 2011 como produtora cultural e educadora em espaços não-formais.

 

 

 

Gian redonda cortada
Giancarlo Machado

Doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (PPGDS/Unimontes-MG). Professor adjunto vinculado ao departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes-MG). É pesquisador do Núcleo de Antropologia Urbana (NAU/USP). É autor do livro De carrinho pela cidade: a prática do skate em São Paulo (Ed. Intermeios/FAPESP) e organizador da coletânea Entre Jogos e Copas: reflexões de uma década esportiva (Ed. Intermeios/FAPESP). É coordenador da coleção Entre Jogos no âmbito da Editora Intermeios. Possui experiência na área da Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana, Antropologia da Juventude e Antropologia dos Esportes. É membro da Rede de Estudos e Pesquisas sobre Ações e Experiências Juvenis (REAJ) e associado efetivo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) desde 2010.

 

Guilherme circular

 

Guilherme Assis de Almeida

Professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). É Doutor e Bacharel em Direito pela mesma Universidade. Tem experiência na área de Ciências Sociais, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos humanos, direito internacional, não violência, violência e refugiado.

 
 

Izadora Xavier do Monte

 
Izadora Xavier

Pós-doutoranda no IRel-UnB, foi pesquisadora júnior no Cluster of Excellence "Contestations of the Liberal Script", do IRC-BIRTS, Freie Universität. Pesquisadora associada à equipe Genre, Travail et Mobilités do Centre de Recherces Sociales et Politiques de Paris (CRESPPA-GTM), é doutora em Sociologia na Universidade de Paris 8 Vincennes Seine-Saint-Denis. Mestre em Sociologia na especialidade Gênero, Poítica e Sexualidade pela École des Hautes Études en Sciences Sociales e mestre em Política Internacional e Comparada pelo Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (2010), graduada em Relações Internacionais também pela UnB. Áreas de Interesse: Estudos de Gênero, Militarismo, Teoria das Relações Internacionais, Pós-Colonialismo, Interseccionalidade. 

 

 
Jacqueline Moraes Teixeira

Doutora em Antropologia Social na Universidade de São Paulo (USP) onde também obteve o título de mestre. Possui graduação em Ciências Sociais (USP/2008) e graduação em Teologia (Universidade Presbiteriana Mackenzie/2012). É pesquisadora do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) realizando pesquisas na área de gênero, raça, sexualidade e religião, do NAU (Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana da USP) onde desenvolve pesquisas sobre religiosidade em contextos urbanos, e do Numas (Núcleo dos Marcadores Sociais da Diferença da USP. Suas principais áreas de atuação e pesquisa são Antropologia Urbana, Antropologia da Religião e Marcadores Sociais da Diferença. Atualmente realiza estágio de Pós Doutorado no Programa de Pós Graduação em Antropologia Social (PPGAS-USP) e é professora credenciada no Programa de Pós Graduação em Educação da USP.

 

joão augusto neves pires

 
João Augusto Neves Pires

Mestre em História Social pela Universidade Federal de Uberlândia (INHIS/UFU) e doutorando em História na Universidade Estadual de Campinas (IFCH/UNICAMP). Atualmente é professor da Escola Técnica Estadual do Centro Paula Souza. Inserido em coletivos de mídia livre, desenvolve projetos de artes, tecnologias digitais, educação e culturas populares. Pesquisa na área de Política, Memória e Cidade as práticas culturais periféricas e as performances circunscritas ao Funk e ao Punk/Hardcore. 

 

 

ls21 juliana farias

 
Juliana Farias

Antropóloga. Concluiu seu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia em Ciências Humanas (PPGSA/UFRJ), em 2014, e Pós-Doutorado no Núcleo de Estudos de Gênero Pagu/UNICAMP (Bolsa FAPESP 2018-2021). Integra o Comitê Cidadania, Violência e Gestão Estatal da Associação Brasileira de Antropologia (ABA). É autora do livro Governo de Mortes: uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro (Papéis Selvagens, 2020); co-autora da publicação Violências de gênero em contextos militarizados: uma cartografia escrita por mulheres" (FASE, 2020); roteirista do documentário “Auto de resistência” (2018) e co-organizadora do livro “Militarização no Rio de Janeiro: da pacificação à intervenção” (Morula Editorial, 2018). Atua como pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos de Gênero PAGU/UNICAMP, como pesquisadora do Núcleo de Justiça Racial e Direito (FGV Direito SP) e como professora credenciada na área de Educação e Ciências Sociais: Desigualdades e Diferenças do Programa de Pós-Graduação em Educação da USP. Realiza consultorias no campo dos Direitos Humanos, tendo trabalhado para ACNUDH, Anistia Internacional, Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial e FASE-Rio, dentre outras. É pesquisadora do CIDADES - Núcleo de Pesquisa Urbana (PPCIS/UERJ) e do Documenta: Laboratório de Antropologia do Estado, Regulação e Políticas Públicas (PPGSA/UFRJ).

 

DicaDoLaboratório 39

 

Luiz Antonio de Castro Santos

Professor e Pesquisador do Departamento de Políticas, Planejamento e Administração em Saúde, no Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), sociólogo com mestrado e doutorado na Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard. Dedica-se a temas do Pensamento Social no Brasil e às Teorias Sociológicas, à Sociologia e à História da Saúde e ao estudo de representações sociais.

 

 

Marcel Diego Tonini

Marcel Diego Tonini é graduado (2006) em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP - Campus de Araraquara). É mestre (2010) e doutor (2016) em História Social pela Universidade de São Paulo. É membro do Núcleo de Estudos em História Oral (NEHO-USP) e do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas sobre Futebol e Modalidades Lúdicas (LUDENS-USP). É um dos editores do site Ludopédio (www.ludopedio.com.br) e integra o Conselho Editorial da Editora Ludopédio.

 

3

 

Marcelo Perilo
 

Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Goiás (UFG), mestre em Antropologia Social pela UFG e doutor em Antropologia Social pela Unicamp. Em suas pesquisas científicas trabalha com gênero, sexualidade, juventude e cidades. Atuou como docente no Senac São Paulo e Universidade Federal de Goiás. É sócio e diretor da Meshwork - suporte à pesquisa científica.

 

3
Mariela Campos Rocha

Fez residência Pós doutoral em Desenvolvimento Social na Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes (2019). É doutora (2018) e mestra (2013) em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Fez doutorado sanduíche na University of Texas at Austin (2017). Especializou-se em Informática em Educação pela Universidade Federal de Lavras (2004). É bacharel em Ciências Sociais pela Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG (2003). Atua como pesquisadora do Centro de Estudos sobre Comportamento Político (CECOMP) do Departamento de Ciência Política da UFMG.

 

 

3Marina Cerchiaro

Pós-doutoranda pelo Museu de Arte Contemporânea da Universidade São Paulo (USP). Doutora em Estética e História da Arte pela USP (2020). Em 2019 realizou doutorado sanduíche na Ecole Normale Supérieur, em Paris. Possui graduação em Ciências Sociais pela USP (2012) e mestrado em Culturas e Identidades Brasileiras pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP (2016). Seus principais temas de atuação e pesquisa são: mulheres artistas; modernismo brasileiro e escultura. 

 

 

   3

Max Filipe Nigro Rocha

Max Filipe Nigro Rocha é graduado e mestre em História pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realiza pesquisa de doutorado sobre futebol e política pela USP. Editor do site Ludopédio (www.ludopedio.com.br)e pesquisador do LUDENS (Núcleo Interdisciplinar de Estudos Sobre Fute bol e Modalidades Lúdicas) que integra pesquisadores da USP, Unicamp, Unesp e Unifesp.
 

 

 3

Nayara Alvim
 
Mestre em Antropologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Tem experiência na área da Antropologia, com ênfase em Antropologia da Religião, atuando principalmente nos seguintes temas: Religiosidade, Catolicismo e Juventude.
 

 

pietro rodrigues


Pietro Rodrigues

Pesquisador de pós-doutorado do CEBRAP e Doutor em Relações Internacionais pelo programa de doutorado conjunto entre a Universidade de São Paulo e o King's College London. Foi Coordenador de Política Internacional na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, atuou com advocacy e como assessor de Relações Internacionais. Atualmente é professor e coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC-SP e pesquisador do Núcleo de Filantropia da Fundação José Luiz Egydio Setúbal. Tem especial interesse nos seguintes temas: desigualdade global, desenvolvimento econômico, investimentos brasileiros e relações entre empresas e política.

 

renatamourao


Renata Guedes Mourão Macedo

É doutora em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo. Possui graduação em Ciências Sociais (2008) e mestrado em Antropologia Social (2013), ambos pela Universidade de São Paulo. É professora assistente do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) e professora colaboradora na pós-graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política (FESPSP). É pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre os Marcadores Sociais da Diferença (Numas/USP). Tem experiência na área de Antropologia e Sociologia Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: marcadores sociais da diferença, gênero, educação, saúde, estratificação social, desigualdades sociais. Desde março de 2020 realiza pós-doutorado na Faculdade de Educação da USP, integrando o projeto temático Saberes e práticas em fronteiras: por uma história trasnacional da educação.


 


Renata Reis

Doutora em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento na UFRJ. Atualmente é Especialista em Acesso Humanitário Regional (América Latina) na Organização Humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF)- Bélgica. Foi Relações Institucionais e responsável por advocacy em MSF Brasil por 5 anos. Foi advogada e coordenadora de Advocacy da Associação Brasileira Interdisicplinar de AIDS - ABIA e coordenadora do Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual da REBRIP .Possui graduação em Jornalismo e Direito pela UNIFLU e mestrado em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF (2005) com sanduiche na Universidade Livre de Bruxelas - ULB, Bélgica. Tem experiência na área de Direitos Humanos, Relações Institucionais e Governamentais, Advocacy, Propriedade Intelectual com ênfase em Propriedade Industrial, patentes, medicamentos e acesso a saúde cooperação internacional e assuntos humanitários.

rodrigo brandão


Rodrigo Brandão

Bacharel em Ciências Sociais (USP), com especialização em Economia e mestrado em Ciência Política pela mesma universidade. Desde 2020, cursa doutorado em Sociologia (USP). Atualmente, é pesquisador da área de Humanidades do Centro de Inteligência Artificial (C4AI) USP-FAPESP-IBM e coordenador do Observatório de Inovação e Competitividade do IEA/USP. Previamente, atuou, entre outras organizações, na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), como especialista em relações institucionais, e na Fundação FHC, como coordenador-assistente de estudos e debates.
 

Thiago Babo


Thiago Babo

Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais (NUPRI/USP), pesquisador da Rede de Pesquisa em Paz, Conflitos e Estudos Críticos de Segurança (PCECS), co-coordenador do Centro de Estudos em Conflito e Paz (CCP/USP) e coordenador do Gabinete ‘Oliveiros S. Ferreira’ de Pesquisa em Sociologia das Relações Internacionais (GOF/USP).

 

 

Thiago Trindade


Thiago Trindade

Doutor em Ciências Sociais pelo IFCH/Unicamp e professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília. É um dos coordenadores do Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê), onde atua em duas linhas de pesquisa: i) Crise da democracia, neoliberalismo e lutas sociais, e ii) Democracia, direito à cidade e conflitos urbanos. Autor do livro "Protesto e democracia: ocupações urbanas e luta pelo direito à cidade" (2017, Paco Editorial), é integrante da coordenação do Núcleo do Distrito Federal da rede BrCidades. Desde outubro de 2016, atua como tutor bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) em Ciência Política da UnB.
 

Verônica Borges circular


Verônica Borges

Verônica Borges é artista educadora, percussionista, cantora e pesquisadora com mais de 15 anos de experiência nas batucadas da vida. Entre suas atividades, destacam-se: Regente do Bloco Pagu; ritmista da escola de samba Nenê de Vila Matilde por 10 anos e atuante em diversos blocos de carnaval de rua em São Paulo; Surdista do sambista da velha guarda Toinho Melodia e do Conjunto João Rubinato (vida e obra de Adoniran Barbosa; e Pós-graduanda em Percussão Brasileira (FASM), pesquisadora (LAPER-UFPB), bacharel em Ciências Sociais (Unicamp) e certificada em cursos livres de percussão, rítmica e canto (Emesp Tom Jobim).


weslei circular



Weslei Estradiote Rodrigues

Doutorando em Sociologia pela Universidade de São Paulo (PPGS-USP), Mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da mesma universidade (PPGAS-USP) e Bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), com pesquisas nas áreas de Sociologia da Cultura e da Arte, Sociologia e Antropologia Urbanas e dos Movimentos Migratórios.


weslei circular

 

Xenia Roque Benito

Xenia Roque Benito possui graduação em História da Arte pela Universidad de La Habana, é mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e doutora pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo (PGEHA- MAC-USP). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Plásticas, atuando principalmente nos seguintes temas: arte latino-americana, arte contemporânea, arte brasileira moderna e contemporânea.

 

 

Yuri Bassichetto Tambucci

Yuri Bassichetto Tambucci é cientista social e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador associado do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana (LabNAU-USP), possui experiências em pesquisas etnográficas com enfoques relacionados à Antropologia Urbana, como lazer e práticas de sociabilidade, mobilidade, cultura, movimento estudantil e esporte. Atualmente trabalha na interface entre antropologia e arquitetura.

 

// Laboratório Social

>> Quem Somos

>> Nossa Equipe
     >
Coordenação
     > Conselho Científico
     > Colaboradores

>> Seja um(a) Colaborador(a)

 

// Contato

Envie sua mensagem

 

// Receba nosso boletim

sintese logo
Copyright ©2019 Laboratório Social, por Síntese Eventos
Todos os direitos reservados.

Produzido por:
Multimedia Design Studio
Webdesign: Disco Design